22/03/06

a ti, água


Hoje eu te canto...
não como te cantam os poetas, porque poeta não sou!
não como te cantaria um pintor numa tela, porque pintora não sou!
mas eu te canto, como te sinto
quando sacias a secura dos meus lábios sedentos,
quando descansas o corpo cansado
quando afagas nas ondas do mar
quando cantas alegre correndo de pedra em pedra nos regatos
nos rios
nos mares
à solta, livre, cristalina
quando as tuas gotas desejadas pela terra gretada, a fazem rebentar
explodir, transformando a natureza
em milhões de cores, em milhões de flores
quando te transformas em arco-íris para as crianças alegrar
sim eu te canto oh água, porque te quero cantar!

6 comentários:

warrior disse...

tá bem!
Parece com força!

Isa&Luis disse...

Olá:)) e aqui tou eu, deixando um poema








Ólá, vim a correr conhecer o teu cantinho. Gostei muito de passear nele. O poema é belissimo.

Agua fonte da vida.

Água que corres pelo rio
Nasces na serra pela fonte
Desces sem nunca ficar vazio
Passas por baixo da ponte.

Levas pela tua corrente
As saudades de encontrar
A beleza de uma semente
A seus pés a ir beijar.

Levas a água pura
Fazes crescer uma flor
Cresce com a frescura
Duma vida com amor.

Vais dar-me de beber
Alimentar-me para a vida
Entregas-te para eu viver
És saudável e merecida.


Beijinhos fofos


Isa

António disse...

Olá, querida Teresa!
O tamanho da letra e o contraste estão óptimos.
Gostei deste teu poema de louvação à água.
É dos recentes ou dos antigos?

Beijinhos

jorgesteves disse...

A atracção suprema da água na fotografia!...
(também sofro disso!)
Um límpido poema!
jorgesteves
http://www.contextualidades.blogspot.com/

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.