05/12/06

palavras à solta...4


Do Gostar

Os beijos que damos
Os que gostaríamos de ter dado
tão doces
tão meus
tão nossos
retribuo-os
na partilha doce

e eu guardo-os
na cumplicidade saudável
na liberdade de pensamento
e em cada um... derreto a minha ternura em ti
deixo marca minha marca

indelével
mas que permanece
que resiste
para além do estar
para além do ser
não sofre erosão
não se decompõe
é orgânico
mas não se deteriora
apenas... marca!
marca e fica
assim como tu fizeste em mim
e vinca
marcaste-me e ficaste
permaneceste
vincaste-me
fizeste de mim folha escrita
folha alva
que se abre ao vento como vela de veleiro
com entrelinhas de azul
que esvoaça cruzando os mares
fundindo nas estrelas
brilhando mais do que elas...
abro o meu abraço
a ti minha estrela polar
abro meu abraço
e te enlaço...
e assim de braços abertos
sou vela que cativa o vento
e o transforma em força
sou vela que o ampara
em navegar
sou rocha
sou... espuma, apenas!
e eu sou mar teu
teu jardim, minha flor
teu céu, minha estrela
teu mundo, meu sorriso
lindo tu que vês a beleza
linda tu que a compreendes
que a cantas em palavras de luz e cor
em notas de uma melodia..
dedilhadas nas teclas de um piano...


foto de olhares

17 comentários:

António disse...

Querida Teresa!
Lindíssimo este teu poema.
Eu prefiro os que compões mais pequeninos, mas este é óptimo.
(as duas cores é que não me convencem muito...eh eh).
Obrigado pelo teu comentário final à blogonovela "Uma família burguesa".

Beijinhos

Betty Branco Martins disse...

Olá Tb

A beleza do teu poema - é verdadeiramente sentida como ........."em notas de uma melodia..
dedilhadas nas teclas de um piano"...

Beijinhos com carinho

Jorge P.G. disse...

Eh lá, temos poetisa!
Boa sensibilidade, alguns jogos de palavras muito bem conseguidos e ritmo, muito ritmo, poesia à solta sem métricas nem amarras, soltada de um fôlego, sem paragens, cavalo à solta pela praia dos amores...

Parabéns. É de abrir a gaveta e deixá-los saltar para o lado de cá! Ou, como eu, não guardas nada na gaveta?

Um abraço.
Até breve.

Jorge G - professor, eterno estudante e sineiro da minha aldeia

Bill disse...

Hummm e cada dia melhor... cada palavra cada ideia...

"fizeste de mim folha escrita
folha alva
que se abre ao vento como vela de veleiro
com entrelinhas de azul"

Vela cheia de amor... Navegando pelo mar da vida...

Belíssimo dona moça =]

Beijo na alma

:***

Anónimo disse...

Thats the time you must keep on trying
Smile, whats the use of crying?
You'll find that life is still worthwhile
If you just smile.

Lindíssimo!

Kaos disse...

Para mim basta vir aqui ler e reler o inteiros e as cores (que não só convencem como complementam). Como não tenho a arte da palavra prefiro ficar em silencio e voltar atrás no tempo para reler de novo. (Há ai um V.... com muita sorte)
bjs

Kafé Roceiro disse...

Lindo demais, querida amiga! Tudo que fazer é lindo demais...

Outsider disse...

Que lindo!!!
Mais uma vez as tuas belas palavras enchem-nos a alma. Os sentimentos que consegues exprimir são tocantes. Fico sem palavras, mas cheio de prazer.
Beijos.

Rui disse...

Musica em forma de letras.

Plum disse...

É mesmo uma melodia de palavras e sentimentos...tudo tão belo!abraços!*

Um Poema disse...

Não vou comentar nada, além siato:
Gostei!
Um abraço

Um Poema disse...

Rectifico- "disto"

pianola disse...

Não gosto do Natal com férias no Brasil, idosos abandonados nos corredores dos hospitais, gente a dormir na rua.
Bom dia e beijinhos.

amadis / pintoribeiro disse...

Bom dia, abraço,

Bosco Sobreira disse...

Obrigado pelo generosos comentários feitos no "Politicamente...". Sinto-me honrado em merecer a atenção de uma Mestre da Palavra como vc, Tereza.
O Poema de hoje, como os demais, encantam pelo conteúdo e pela cuidadosa forma.
Um dia luminoso e criativo.
Beijos do
Bosco

Plum disse...

Bom fim de semana!cheio de magia!!!*abraços!*

Belzebu disse...

Pois é! Por vezes faltam-nos as palavras para comentar. Uma pintura lindissima, com ritmo, com côr e muita, muita emoção!

Saudações infernais!