31/01/09

mar e sol


olho-te
e na tua serenidade...encontro o meu bem-estar
e no meu olhar encontras a tua paz
fechas teus olhos
aproximo a minha face da tua
e sondo-te num beijo terno, infinito
fazendo dos teus lábios os dedos da minha alma
que sabe a maresia e a mel
que reconhecem cada bocadinho de ti
que sabe a algas
beijo-te com a ternura do sol
beijo-te com a ternura do mar
no beijo ao sol quando se põe
com a harmonia do mar quando acorda
sinto na tua boca, o ondular
do mar
o sabor a maresia
e mais não somos do que pedaços de mar e sol
na alegria inebriante do renascer.
.
.
.
.
foto da net

6 comentários:

isabel mendes ferreira disse...

....como se de repente Teixeira de Pascoes regressasse... na telúrica gramática de terra re.transformada.



beijo querida T.

ao sol das tuas palavras.

Parapeito disse...

...e nada mais é preciso...quando na alegria inebriante...se renasce..

Lindo minha ne*
********

L disse...

como se fosse uma definição de amor perfeito, ou de relação perfeita *

legivel disse...

... o mar e o sol de mãos dadas com o amor...

... e este Inverno antipático que teima em nos fazer companhia. Até quando?!

Beijinhos e sorrisos.

Francisco Sobreira disse...

Cara Teresa,
Mais um bonito, sensível poema, em que você associa o amor ao mar e ao sol. Um beijo afetuoso.

Nilson Barcelli disse...

"fazendo dos teus lábios os dedos da minha alma
que sabe a maresia e a mel"
Todo o poema é belo, mas achei esta parte deliciosa.
Gostei muito do teu poema. Acho que continuas em mudança. Continua a voar com as tuas asas cada vez maiores...
Beijo.