18/01/09

linhas de nós


Rompia a mais clara madrugada
As sombras lá fora
Anunciavam o dia despontando
Viemos de mansinho
ficámos calados
Entreguei-me
Era um livro para leres
Feito linhas
Escritas e a escrever
Entregaste-te
Entregámo-nos
Leste-me
li-te
e o que era noite,
alvoroceu
até que uma página do livro se escreveu
Continuamos a escrita...?

14 comentários:

R disse...

Muito bom. Mesmo. Identifiquei-me. :)

isabel mendes ferreira disse...

Sim....querida T.
Continue. sempre. assim ou de outro "assim"....que me-nos faz falta.




bom que tenha voltado às linhas puras. sem nós nem pontos em falso!


beijo.

e

outro.

Bill disse...

Na tenue linha, a escrita continua...

E tu também...

ainda bem...

Beijo dona moça... E doce semana

:*

PoesiaMGD disse...

Terno e suave! Muito bonito!
Abraço

Parapeito disse...

minha querida ne*
Continuar
Sempre
Sempre
Sempre

******************

Mar Arável disse...

Palavras leves

para voar

L disse...

A todo o momento se escreve algo no grande livro da vida. Talvez o conteúdo de algumas páginas fique invisível e os dedos procurem sempre algumas páginas em especial :) *

Nilson Barcelli disse...

Estás a escrever cada vez melhor.
Talvez estejas a perder o medo às palavras, às imagens que elas criam, enfim, a liberdade poética nem sempre é fácil de ser assumida, principalmente nos temas de amor...

PS: Estou a ficar desolado... O meu último poema está relacionado com o ambiente e a expectativa de vida na Terra, cada vez previsivelmente mais curta. Imagina que já tenho mais de 30 comentários (que ainda não publiquei) e acho que ninguém o percebeu. Todos pensam que o poema se refere ao tempo, embora fale dele... Vai lá e lê, e diz-me por favor se eu estou maluco...

Beijo

Uma estrela errante disse...

Olá menina,

Encantas com as tuas linhas..desenhadas, pintadas com palavras puras...

beijinhos

Isa

Amaral disse...

Muito bela a tua madrugada!
São as linhas de nós todos, feitas palavras, sorrisos e... sempre poesia...

Sá Morais disse...

Vale sempre a pena... escrever! :) Contra ventos e tempestades, raivas e vontades!

Jinhos!

Nuno Firmino disse...

Mas que bonito,

Parabéns

Francisco Sobreira disse...

Mais um belo poema, cara Teresa. Um erotismo refinado. Um beijo.

OUTONO disse...

E se sabor existisse...só o odor das palavras , seriam um bom convite para uma leitura íntima.

Igual...muito igual à tua plena criatividade de nod deixar sempre com água na boca...

Beijinho