16/12/08

fantasia


Era criança
criança ladina
que corria, corria
corria, traquina
E irrequieta
Pegava na varinha
Feita por si
de seca palhinha
taça na mão
de água e sabão
roubados da mãe
soprava, soprava
e corria, corria
atrás das bolas
redondas de mil cores
voando em ruidosa alegria
bolas, agora feitas
não já de sabão
mas de sonho
e fantasia.
.
.
.
imagem da net

9 comentários:

Anónimo disse...

o simples é sempre (ou quase) PURO
PURÍSSIMO.



. redentor.



tanto.





que não é fantasia.




bendita realidade. AQUI.




terno. o beijo.




.(piano).

Francisco Sobreira disse...

Cara Teresa,
Mais um bonito poema e com um ritmo muito bom. Um beijo.

PreDatado disse...

Que bonito. Transportou-me completamente.

Nilson Barcelli disse...

Já nem se fazem bolas de sabão como dantes...
Belíssimo poema cara amiga, as tuas palavras são candura poética que me oxigenam o sentir.
Feliz Natal, beijinhos.

Anónimo disse...

não a um viver sem uma boa fantasia.

Bosco Sobreira disse...

Que alegria te receber em minha casa, minha querida Poeta. Difícil expressar gratidão por suas palavras sempre tão carinhosas.
Que alegria poder voltar a te ler, minha querida amiga.
Que tudo lhe sorria neste Natal e no Novo Ano que se aproxima. Que bençãos e luzes caiam em abundância sobre você e os seus.
Um beijo afetuoso, querida poeta.

Parapeito disse...

...Consigo ver te menima ladina a correr atrás das bolas de sabão :))

beijoooo

Marisocas disse...

Um Santo e Feliz Natal cheio de coisas boas. Boas entradas em 2009.

Um Poema disse...

....

Um Feliz Natal para ti e para quantos te são queridos.
Que 2009 seja um ano de esperança, de paz, de saúde e alegria e também, se possível, de alguma prosperidade.

Um abraço