06/12/08


Amanhecia um novo dia de trabalho.
Mas lá ao fundo, sozinho, longe do barco e da costa, Fernão Capelo Gaivota treinava. A trinta metros da superfície azul brilhante, baixou os seus pés com membranas, levantou o bico e tentou a todo custo manter as suas asas numa dolorosa curva fazia com que voasse devagar, e então a sua velocidade diminuiu até que o vento não fosse mais que um ligeiro sopro, e o oceano como que tivesse parado, abaixo dele. Cerrou os olhos para se concentrar melhor, susteve a respiração e forçou ... só ... mais ... um ... centímetro ... de ... curva ... Mas as penas levantaram-se em turbilhão, atrapalhou-se e caiu.
Como se sabe, as gaivotas nunca se atrapalham, nunca caem. Atrapalhar-se no ar é para elas desgraça e desonra. Mas Fernão Capelo Gaivota - sem se envergonhar, abrindo outra vez as asas naquela trémula e difícil curva, parando, parando ... e atrapalhando-se outra vez! - não era um pássaro vulgar.
A maior parte das gaivotas não se preocupa em aprender mais do que os simples factos do voo - como ir da costa à comida e voltar. Para a maioria, o importante não é voar, mas comer. Para esta gaivota, contudo, o importante não era comer, mas voar. Antes de tudo o mais, Fernão Capelo Gaivota adorava voar...” (in, Fernão Capelo gaivota, BACH Richard)
.
Como ele,também tu, minha querida, não és um pássaro vulgar... por isso não te envergonhes nunca de caires que o principal é levantar, cabeça erguida e...voar! que nunca as asas te faltem para grandes voos.
Muitos beijinhos neste dia especial.:):):)*****
.
.
.
imagem do google

11 comentários:

Cláudia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Parapeito disse...

...Que miminho tão doce :)Aposto que sei para quem é!
Bonito texto para "ofereceres" á minha Ká!
É verdade que ela nao é um "pássaro vulgar" assim como tu tambem não és:)
Que nunca... vos... faltam as asas..

Pela tua amizade e por seres assim Bem-Hajas*************

isabel mendes ferreira disse...

eu não sei o destinatário/a . sei apenas que o destino deste profundo AZUL marítimo tem o cheiro da tua (posso?) sensibilidade e o movimento de uma alma "elegante".

basta.me.

porque é imenso.

por ser raro.


beijo. sem gumes. antes gomos de ternura.

OUTONO disse...

Gostei...e muito!

Beijinho.

António disse...

Estupendo post.

Beijinhos

Cláudia disse...

Está maravilhoso..Esse livro é uma delícia...
Fiquei sem palavras..
Muito obrigada pelo carinho e amizade...
um grande beijinho
:*

Marisocas disse...

Olá!
Tudo bem?
Aqui estou eu para anunciar mais uma criatividade minha, a poesia. Passa em http://poesiademarisocas.blogspot.com/ e deixa um comentário.
Beijinhos grandes e Feliz Natal.

Nilson Barcelli disse...

Não sei quem é, mas a tua amiga só pode ter ficado feliz com a tua homenagem.
Escolheste um belíssimo excerto.
Beijinhos.

.*.Magia.*. disse...

Soube-me muito bem ler aqui este trecho do "Fernão Capelo Gaivota"...

Francisco Sobreira disse...

Cara Teresa,
Não li esse livro. Mas apreciei o fragmento que você retirou dele e, com isso, homenagear a sua amiga no dia, suponho, do seu aniversário. Um beijo afetuoso e uma excelente semana.

Verónica disse...

Olhei e vi Fernão Capelo gaivota?!
Adoro a história! Penso que é uma obra prima.Tenho o livro e o filme. Muito lindo e de grande significado!
Para voar é preciso agitar as asas e voar no rumo certo.Ter sonhos é fundamental!