26/02/08

não há distâncias...


Escrevo-te ao som da chuva que fustiga a janela.
Talvez o céu chore também,
por termos nascido em tempos tão diversos...
Pensar em ti é amar-te, é ficar toda tua, assim de corpo e alma,
é ganhar asas e voar vencendo as barreiras da distância
é ficar aninhada em ti
meu mar, meu poema, minha ternura
onde me deito e descanso,
onde me perco e me encontro.
Em ti me enlaço e abraço
vigiando o teu sono, o teu sonho
para que ele seja o sono dos anjos,
dos justos, dos amantes...

28 comentários:

António disse...

Querida Teresa!
Eis mais um post com o teu tamanho...
Beijinhos

Dora disse...

Tinha me esquecido da sua ternura esparramada em linhas de versos, tinha me perdido da sua doçura...Estive longe desse mundo virtual, por muito tempo, querida amiga.
E é tão bom e cálido sentir o universo blogueiro, quando se visita espaço como o seu!
Fique com meu beijo e carinho.
Dora Vilela.

Kaos disse...

Querida TB
As tuas palavras nunca perdem a beleza e transportam-nos sempre para as maravilhas da magia. Sempre
bjs

© Piedade Araújo Sol disse...

Querida amiga

Mais um poema singelo e bonito.

beij

Isa&Luis disse...

Olá amiga,

È uma delicia ler-te.

Voar...Liberdade...

Essência de um vôo.

Gostei muito!

Beijinho

Isa

Plum disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Plum disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Plum disse...

Só quem ama puramente consegue escrever assim!!!
Abraços!***

mitro disse...

Do mais belo que já li!
Parabéns!

CNS disse...

Ficou-me o som da chuva...

Mocho-Real disse...

Belíssima imagem e poema com imagens de bela ternura.
Quando assim é, apoesia acontece.

Cumprimentos.
Jorge G.

ALF disse...

a distância não aflige quem ama, apenas afina a sensibilidade e o sentimento.

Mas precisa ter essa capacidade.

Belo texto.

Beijos
;)

legivel disse...

... depois a chuva cessou dando lugar ao sol. Abriu a janela e observou que lá em baixo, na rua, o passo apressado da maioria das pessoas levava-as para outros percursos bem menos poéticas. Sorte a sua, que conseguia avaliar da distância entre o prosaico e o amor sem barreiras.

beijinhos, sorrisos e óptima semana! .

Rui disse...

Não era chuva à janela. Era saudade.

Francisco Sobreira disse...

Cara Teresa,
Um bonito poema de declaração de amor ao ser amado. Um beijo.

© Piedade Araújo Sol disse...

re-passei!

sa morais disse...

Porto dos sentidos aqui por estes lados.

Jinhos!

joão marinheiro disse...

Tão, mas tão bonitas as palavras que nos trazes.
Abraço com mar em fundo e rio e praia.

Betty Branco Martins disse...

querida___________T.B




.a chuva se faz


_________ouvir____...




de




.mansinho.se.sente______a





carícia.nos___dedos



.a


água____________desliza__...














beijO c/ carinhO

butterfly disse...

Muito lindo...fiquei presa ás tuas palavras e por isso tive de comentar...lindas...
beijinhos

Mac Adriano disse...

Este foi bom mas já se lia era outro poemazinho. Vamos a acordar, que já lá vai um mês!

Odysseus disse...

Estive um tempo parado para refrescar as ideias, mas conto agora voltar ao activo com um pouco mais de regularidade. Por isso deixo um obrigado a todos os que me presentearam com visitas ao blog e comentários de apoio nestes meses de ausência, tu incluída.

Cumprimentos do Odysseus.

Um Poema disse...

....

Uma Páscoa Feliz para ti e para quantos te são queridos.

Um abraço

Anónimo disse...

Talvez por termos nascido em espaços tão diversos...
Um beijo!
Luís

mitro disse...

...é belo...

Nuno Firmino disse...

Palavras bonitas de uma alma, também ela, encantadora.

ana poeta. disse...

Linda prosa poética...Parabéns! Simplesmente aplausos.

Beijos Poéticos.
;**

Parapeito disse...

"Em ti me enlaço e abraço"... (que bom )
Cá ando eu de "flor em flor" aspirando o teu perfume doce :)
E que tb entre nozes :) nunca a distancia aumente.
beijooooo