08/03/10

Liberdade para ser...

Eu era a Eva

Criada para a felicidade de Adão
Mais tarde fui Maria
Dando à luz aquele
Que traria a salvação
Mas isso não bastaria
Para eu encontrar perdão.
Passei a ser Amélia
A mulher de verdade
Para a sociedade
Não tinha a menor vaidade
Mas sonhava com a igualdade.
Muito tempo depois decidi:
Não dá mais!
Quero minha dignidade
Tenho meus ideais!
Hoje não sou só esposa ou filha
Sou pai, mãe, arrimo de família
Sou camionista, taxista,
Piloto de avião, policial feminina,
Operária em construção...
Ao mundo peço licença
Para atuar onde quiser
Meu sobrenome é COMPETÊNCIA
E meu nome é MULHER..!!!!


desconheço a autora, mas trouxe aqui hoje, para prestar tributo a quem me ofereceu o poema e que muito agradeço e a todas as mulheres, que saibam sê-lo em igualdade, num mundo que se quer igual entre homens e mulheres!

9 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

obrigada!

beij

Vieira Calado disse...

Já com algum atraso, aqui fica também, o meu tributo a todas as mulheres.

Francisco Sobreira disse...

Querida Teresa,
Não consegui ler a mensagem que me enviou. Talvez seja problema do meu computador. Mesmo lamentando, fiquei contente por saber que você ainda se lembra de mim. Um beijo.

Parapeito disse...

:)) beijo***

Nilson Barcelli disse...

Um poema que constitui um belo tributo.
Querida amiga, bom Domingo e boa semana.
Um beijo.

Mar Arável disse...

O simples torna tudo

mais belo

Bj

Anónimo disse...

É simplesmente lindo e verdadeiro. Sempre a Teresa a dar espaço para os que não tem voz e vez.

notyet disse...

Pouco tenho para dizer.
Acho não há diferenças.
E, se estou errado,
estão as mulheres a vencer.
Um raio de luz lá da estrela

文章 disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.