26/10/07

A teia


Instalam-se em luxuosos palácios que não construiram
Sentam-se em cadeiras e escrevem em mesas, de exóticas madeiras,

mas cujas árvores não plantaram
Destroem a Natureza, aplaudindo e assinando acordos,

sentindo-se importantes e falando do ambiente
Acompanham as palavras com bebidas caras, com sorrisos cínicos, com corpo farto.
Falam dos pobres e famintos do mundo, sem saberem ou sequer sonharem

o que pobreza e fome sejam.
Assinam livros, tratados e guiões, fazem filmes e ganham prémios

em nome daqueles a quem vedam o caminho do progresso.
Distribuem as migalhas com que vão tecendo a teia onde as vítimas se vão alienando.

foto: http://www.fotodependente.com/img7943.search.htm

13 comentários:

Isa&Luis disse...

Gritantes verdades, em que a forma dá força ao conteúdo!
Gostei muito!
Fica uma questão: o que impede os mais desfavorecidos de melhorarem as coisas a seu favor?

Um Beijo
Luís

joão marinheiro disse...

Tens toda arazão minha querida amiga. Toda a razão.
Beijo daqui junto ao mar.

Francisco Sobreora disse...

Querida Teresa,
Aleluia! Depois de mais de um mês sem "reformar" a sua casota, você volta com um texto algo diferente, no conteúdo, dos que já li, mas mostrando a mesma lucidez crítica, a mesma sensibilidade. Um beijo afetuoso e uma linda semana.

Cláudio B. Carlos (CC) disse...

É sempre assim...
Beijos do amigo *CC*

mitro disse...

Os salvadores deste mundo têm pés de barro!

(Às vezes tem outras coisas que eu não digo...)

Plum disse...

Perfeita descrição!

Abraços!***

António disse...

Minha querida Teresa!
Mas que longa ausência (mais de um mês).
Espero que estejas bem e que regresses cheia da criatividade e bom gosto de que este post é um exemplo.
E desta vez aproveitaste para zuzir os grandes...

Beijinhos

sá morais disse...

Puff... Por momentos pensei que também ias deixar cá o teu canto.Mas voltaste! Tudo está bem quando acaba bem!

jinhos!

Kaotica disse...

Sei de tais aranhas, são venenosas e nefastas, capaz de devorar os próprios filhos para continuarem a tecer a sua rede de influências. Aplica-lhes inseticida, mesmo que isso estrague o ambiente. A natureza há-de regenerar-se. Eles é que não.

Um abraço

Isa&Luis disse...

Bom dia menina,

O teu Grito faz eco, simlesmente é a realidade dos nossos dias.


Deixo-te flores, beijos e sorrisos

Isa

Nilson Barcelli disse...

Deste um murro na mesa...
Gostei deste teu grito de revolta. Uma forma diferente de dizeres o que sentes sobre o que te rodeia.
Bfs, beijinhos.

Mac Adriano disse...

E alguns ainda ganham prémios Nobel, ao que parece.

Mikas disse...

Besitos