12/06/06

generosidade


A generosidade de quem emprestou as palavras para que os amigos que me visitam delas possam usufruir e gostar, espero que se deliciem como eu me deliciei.
Emprestadas daqui
"Estou em silêncio
Estou em silêncio
De olhos fechados
Medito ou alheio-me do mundo
Escuto a melodia dos pássaros matinais
É a mais bela orquestra tocando nesta manhã de Outono que desponta
Um dia cinza e azul, com chuva miudinha
Faz uns momentos que despertei
De olhos fechados, abandonado ao calor apetecido dos lençóis
Vou adiando a jornada
As horas correm, tenho um intervalo de tempo cada vez menor
Num repente salto da cama que tinha por companhia e parto
Enfrento de novo o mundo e as noticias que escuto na rádio
Acidentes, desastres, tremores de terra, mortes, guerras…
Assim reconfortado, pelas noticias que ouço
Acelero a fundo, de novo em corrida com os traços descontínuos da estrada
Desta estrada rotineira da minha vida presa, e em círculos de volta da memória
E enfrento a obrigação de mais um dia de trabalho
Então despido da armadura que me protege
Sou um imenso operário em construção
Despido de mim mesmo, ou em conflito permanente
Com o operário e o patrão
Ligo a máquina ruidosa
O imenso forno em brasa
O balancé ou o torno.
A imensa serra de longos dentes cariados…
O maçarico de corte.
E corto de cima a baixo, e separo
As entranhas deste imenso navio que sou
Milhares de tubos, rebites, chaminés, vigias, mastros, e paus de carga
A carga imensa de um dia de trabalho intenso, e de suores frios
Correntes de ar, poeira e fumos.
Imensos fumos matinais
Dos cigarros caídos nos lábios roxos
Nas mãos gretadas, calejadas
Nos sulcos das rugas no rosto velho
Na barba cinza por fazer, no desalinho dos cabelos oleosos
No olhar.
No olhar parado.
Finito no tempo!
O olhar sem brilho, do brilho de outrora
Na sabedoria dos anos que passam
Então convencido pelas evidencias
Sou um imenso operário especializado
Em nada!
E no intervalo da vida, pelas dez e trinta certas ao tocar a sirene, paro!
Sento-me, fico em silêncio
E em silêncio desperto desta nostalgia ou do torpor que me consome
Desta maquinaria imensa e exacta de ruído febris
Das conversas, do futebol, das mulheres dos outros, dos engates…
Desconheço-me de novo, e ando sempre à descoberta de mim…
E deixo o corpo, este de carne e osso e prisão
E então vagueio elevo-me e pairo, bem por cima das cabeças que pensam, dos outros
E escuto, e ouço o que se diz, e concluo
Nem sempre o que se diz é o que se sente, ou a verdade, mas isso é segredo meu…
E assim, possuidor do segredo ou da verdade revelada, compreendo
A falta de brilho nos olhos
Ou a ausência do sorriso
O porquê das rugas
O cansaço permanente
Então maquinalmente, pelo hábito, ou impelido por estranha força
Desligo as máquinas
Paro o torno que girava em contínuo
Ou o balancé, que sempre iguais, cunhava as mesmas peças.
Milhares!
Verto a última gota de metal líquido, um bronze para a imortalidade
Do operário ilustre, mas desconhecido
E penso, e olho, e beijo
Estas minhas mãos de operário
Que cansadas, doridas, gretadas e gélidas
Constroem, fabricam ou reparam, as obras-primas, eternas, anónimas
Mãos instrumentais ou apêndices, ou obra suprema da natureza.
Mãos de manualidades empíricas, que abraçam um mundo todo
E que afagam, acariciam, ajudam o filho nos primeiros passos
Vestem, arranjam, alimentam e carregam
Todo este imenso silêncio, nesta manhã
Onde os pássaros entoam uma musica de orquestra à mistura com chuva miudinha
Ou ao domingo, na missa instituída na família, desde os primórdios do tempo
As mesmas mãos pedem perdão a Deus e imploram
E assim famintas desse perdão ou desse amor divino
Sacam do bolso o lenço amarrotado e limpam as lágrimas
Que correm bem por dentro como um rio frio
E transpondo a fronteira do olhar assomam e rolam na face velha
Em mim
Ou
No mendigo que à porta estende a mão e pede esmola.
E sem olhar
Entoa uma ladainha repetida, mono silábica domingo a domingo
Cabisbaixo, ausente de si e da vergonha!
Que o século é vinte e um
E há fome, e há guerra!
E eu maquinalmente sem me importar com a sua história
O seu drama, ou a sua vida, ou as suas lágrimas que correm
Saco do bolso a moeda esquecida e de mão fechada
Para que não se veja o gesto ou a quantia
Rápido atiro a dádiva ou a migalha e fico em paz
Comigo, ou com o Deus que observa silencioso o gesto, e o reprova
E parto de encontro ao restaurante
Para me degladiar com as iguarias ou o pecado da gula
Quero lá saber que se morra de fome em Africa!
Ou quero lá saber do mendigo
Assim saciado e farto
Regresso a casa, ao conforto ou ao silêncio
Ou vindo de um dia de trabalho cansado
Lavo as mãos, abandono-me num sofá velho e fecho os olhos
Assim neste ir e vir o dia passa e envelheço
E não querendo já saber de noticias ou de desgraças
Descalço-me, jogo fora as meias que me oprimem os pés
E deixo os sapatos abandonados num qualquer canto
Apago a luz
Despeço-me de mim e adormeço"

poema de joão marinheiro
Foto de Olhares

25 comentários:

Isa Calixto disse...

Eu só posso ficar em silêncio...
em respeito a tudo o que li!

Obrigada pela tua "generosidade"
é só o que me surge dessa verdade!

Um beijinho de boa semana

Isa&Luis disse...

Olá menina,

Belissimo texto , muito bem retratada a vida quotidiana.

Desejos de uma boa semana repleta de alegrias

beijinhos muitos para ti

Isa

de Matos disse...

Muito bem escolhido, e muito bem postado, parabens e uma excelente semana

Alexandra disse...

Passei por mero acaso, mas não posso deixar de dar os parabéns por estas maravilhosas palavras.

Obrigado por este momento!

Tudo de bom!

BlueShell disse...

Um pouco de mim morreu hoje…
Tenho os olhos rasos de água! Parece nada fazer sentido, hoje!
Desculpa!
BShell

Kaos disse...

Tenho andado longe deste e de outros blogs que o tempo tem sido curto. Agora que aqui voltei vim logo encontrar esta linda generosodade. Obrigado por este momento de um quatidiano vivido por tantos de nós. Este blog é mesmo um cantinho de surpresas e um bom local para nos reencontrarmos com a nossa alma.
Bem hajas por isso
bjs

Luiz Carlos Reis disse...

O cotidiano de todos nós, enfeitado pelas mazelas que suplantam a sociedade.
Belas palavras! Abraços para tí!

Margarida disse...

Palavras para quê!?
excelente texto..excelente escolha

despaço-me de ti e ñ me vou deitar masssssssssssssss vou para o banhinho :) terça-feira, que canseira...ai ai vida , vida, vida...


beijos doces no teu coração

http://margaridamatos.spaces.msn.com/

jorgesteves disse...

Excelente escolha, amiga!

amizade,
jorgesteves

Amaral disse...

Vale a pena chegar ao fim deste longo poema, que é traço de vida, é agressivo e contundente, entoa, segreda, diz do pensar e sentir…
Como tu, também eu me deliciei!...

Luiz Carlos Reis disse...

Obrigado! Vejo que tuas palavras eclodem no vento e ...o tempo o dirá!
Abraços para tí!


Obrigadinho pela visita...lestes o meu conto????
Fui!!!!

Luiz Carlos Reis disse...

Meus caminhos estão sempre iluminados!Mas, se me permites...tens nas palavras o doce fel do lirismo.
Um grande abraço!

rute disse...

Foi a minha primeira visita mas gostei e de certeza que vou voltar. Até à próxima.

José S. disse...

Um dia-a-dia cúmplice da miséria. O mundo descalça as meias e alivia os pés enquanto lá fora se morre de fome.
Ainda hoje me disseram: - Custa-me crer que alguém consegue ser indiferente à morte...
Custará?
Neste Mundo do vil metal, uma moeda e a barriga cheia deixa qualquer um indiferente a tudo.
Bom fim de semana.

Bill disse...

Ola amigaaaa =]

Vou dizer que achei lindo, demais até, foi um presente para nós que aqui sempre estamos e que presente heim belíssimo.

"Despeço-me de mim e adormeço"

Lindo dia moça
:*****

Rainha de Copas disse...

uiu. péra que eu vou ler de novo.

Alma de Poeta disse...

Fez-me lembrar um poema que ouvi há muitos anos atrás " Operário em Construção". parabéns pelo poema. Deixo um beijo

agua_quente disse...

A rotina terrível da vida. A real "não-vida".
Beijos

Outsider disse...

Fantástica e belíssima poesia. O retrato sentido da vida dos nossos dias...
O teu blog é fantástico tb. Sempre que cá venho, fico maravilhado, pensativo e saciado. Estes poemas e imagens alimentam-nos a alma. Muito Obrigado.
Beijos.

Um Poema disse...

Excelente "generosidade" esta que divides connosco.
Um abraço

Fernanda disse...

Estou em tempos de silêncio, tentando compreender meu barulho interior...
Belíssimo post.
Bjs no seu coração!

Kaos disse...

vim só desejar uma boa tarde e relaer o excelente poema uma vez mais
bjs

Ana Luar disse...

Ler o "João marinheiro ausente" é sem duvida uma benção. Pk só pessoas com grandeza de alma conseguem tornar grandes as palavras. Para ti "lobo do mar" um beijo eterno. Para ti TB que tiveste o bom gosto de publicar este poema belíssimo um abracinho apertadinho... pelo momento lindo que nos proporcionas-te.

Bruna disse...

Lindas palavras!

Beijos

Nilson Barcelli disse...

Mas que boas palavras escolheste.
Gostei de ler, pois não conhecia.
Beijinhos.